Bem vindo!

Bem vindo!

INSTAGRAM



Instagram

Seguidores

O inverno te levou com as flores

Posted by: Juℓi Ribeiro in

O inverno te levou com as flores

A jovem madrugada traz as andorinhas.
A lua foge emocionada em pranto.
Escuta e sente a saudade em meu canto.
Fecha as pálpebras tristes como as minhas.

Doce era a espera quando tu vinhas.
Suave lembrança eu acalanto.
Apaixonada eu te esperei tanto!
Um sorriso vasto, como o mar tu tinhas.

Nas palavras, a esperança era o motivo.
O inverno te levou com as flores.
Deixou, um gosto de desespero vivo.

Das grandes tempestades tens o brilho.
Tanto tempo semeastes minhas dores?
E hoje: voltas para mim, pássaro cativo...

Juli Ribeiro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado
crédito ao autor original
(Juli Ribeiro. http://www.recantodasletras.com.br/autores/juliribeiro).
Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Você não pode criar obras derivadas.

Regras para ser feliz

Posted by: Juℓi Ribeiro in ,

Do meu soneto, meu amor fez brinquedo!

Posted by: Juℓi Ribeiro in
























Do meu soneto, meu amor fez brinquedo!

Minhas lágrimas refletem raios de prata.
Meu coração quebrou-se de tristeza.
Através da neblina se encontra a beleza.
Mas a dor fere e o laço desata.

Dentro de mim, sentimentos caem como cascata!
Fortes, tristes, mas repletos de delicadeza...
Me revolto, não encontro à pureza.
De minha esperança, a dor faz serenata.

A felicidade voa bela, colorida, em segredo.
Quer pousar, mas não encontra este soneto?
Porque dele, o meu amor fez brinquedo!

As mágoas são sábias e nos ensinam cedo
Que amar, sem ser amado, não é dueto.
Mas o coração apaixonado esqueçe o medo...

Juli Ribeiro

Publicado no Recanto das Letras em 21/01/2007Código do texto: T354258
Esta obra está licenciada sob uma
Licença Creative Commons.
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja
dado crédito ao autor original
(Juli Ribeiro. http://www.recantodasletras.com.br/autores/juliribeiro).
Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Marisa Monte - Vilarejo

Posted by: Juℓi Ribeiro in

Vilarejo

Dos teus olhos, sou a namorada

Posted by: Juℓi Ribeiro in





Dos teus olhos, sou a namorada.


Vieste como a brisa, suavemente.
Trazendo encanto, ternura e carinho.
O meu mundo era triste e sozinho.
Renasceu em esperança, docemente.

A luz do teu olhar, naturalmente,
ilumina e alegra o caminho.
Passarinho? Fiz morada em teu ninho.
E aos outros sou indiferente!

Tu és o sereno da madrugada.
A rosa pelo orvalho tocada
conjugando o verbo amar.

Dos teus olhos, sou a namorada.
Alegre como a alvorada.
Brilhando feliz ao te encontrar.

Juli Ribeiro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja
dado crédito ao autor original
Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Você não pode criar obras derivadas.

Amigos e amantes

Posted by: Juℓi Ribeiro in




Amigos e amantes

Uns sorrisos ternos, doces, companheiros.
Umas palavras amigas, bem-vindas e queridas.
Sonhos compartilhados ao longo da vida.
Beijos eternos, com o sabor do primeiro.

Sentimentos puros, transparentes, inteiros.
Lágrima suave, madura, sentida, perdida.
Na estrada nem sempre alegre, comprida...
Sons, sensações, amor verdadeiro?

Mesmo distantes nunca estão separados.
Namorados, enlaçados por uma enorme ternura.
Na realidade ou na fantasia seguem abraçados.

São carinhos, mimos, preocupações e cuidados.
Caminham de mãos dadas, entregues a aventura.
Dormem felizes e sonham acordados.

Juli Ribeiro


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar,
desde que seja dado crédito ao autor original
Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Você não pode criar obras derivadas.

Tudo é uma doce promessa!

Posted by: Juℓi Ribeiro in




Tudo é uma doce promessa!


Sinto a fantasia chegar.
Meus sonhos me seguem depressa.
Fecho os olhos bem devagar.
Nossa viagem começa.

Os sorrisos parecem não se cansar.
Encontram-se aos carinhos sem pressa...
Com o brilho do nosso olhar, fazem par.
Tudo é uma doce promessa!

Despertam, renascem, nossas vidas!
As dores, tristezas, estão mortas.
Abrimos com prazer, novas portas.


Todas as saudades foram esquecidas.
Todas as palavras de amor desejadas
Serão ditas nas nossas noites estreladas.

Juli Ribeiro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado
crédito ao autor original
Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Recife Veneza Brasileira

Posted by: Juℓi Ribeiro in

Vídeo de fotos da cidade do Recife - PE (a Veneza Brasileira), com efeitos visuais e trilha sonora em três versões do hino de pernambuco (frevo, forró, maguebeach) e uma música de Lenine (Menina dos olhos do mar) e outra de Manuel Bandeira (Recife, cidade lendária) interpretada por Chico Buarque. Consta imagens do Centro do Recife, suas pontes, rio Capibaribe, Palácios, Teatros, Praia de Boa Viagem, Recife Antigo, Museu Francisco Brenand, Instituto Ricardo Brennad (Castelo Brennand) e bairros da cidade.

Recife Veneza Brasileira e Alexandre Souza

Posted by: Juℓi Ribeiro in , ,

Quero aqui fazer uma homenagem ao pernambucano Alexandre Souza.
Um grande compositor, poeta telentoso e ser humano maravilhoso.
Apaixonado pela cidade do Recife e por suas raízes.
Ele é o dono do blog "Um coração recifense"
http://alexandresouza1.blogspot.com/Blog
dedicado a divulgação da cultura e musica pernambucana.
O Recife mora no seu coração e o coração do Recife
agradece a ele, por seu amor e dedicação.

Parabéns Alexandre!
O Recife mandou dizer que ama você!

" Orgulho de recifense"
(Frevo canção)

Eu canto feliz esse orgulho de ser recifense
orgulho de andar pelas ruas que andou Edgar
orgulho de ter dividido esse céu com Capiba
orgulho de ter sido um dia amigo de Walmar
Sou Casa amarela Engenho do meio Bongi
Sou o Galo da madrugada abrindo o carnavale se dez vidas eu tiver quero mais nove aqui
Sou Várzea do Capibaribe na voz de Abissal
Meu coração vira no baque do maracatu
no compasso do caboclinho ele é mais tribal
me deixo levar pelas águas do Capibaribe
e aporto lá no marco zero em pleno carnaval...
Ser feliz aqui é normal

-Alexandre Souza-

Publicado no Recanto das Letrasem 12/10/2006Código do texto: T262805 Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo - Carlos Drummond de Andrade

Posted by: Juℓi Ribeiro in ,

Foto montagem feita com fotos de Cesar Andrade ao som de "Todo sentimento" na voz de Verônica Sabino.

Soneto para o meu coração

Posted by: Juℓi Ribeiro in




























Soneto para o meu coração

Tu és meu dono, tu me pertences!
Doce coração és meu cativeiro.
Rebelde, inconstante, bandoleiro.
Que vai dominar-me, não penses...

Sei que a cada batida tu me convences
Que nesta vida tudo é passageiro.
Por isso tu bates, cada vez mais ligeiro.
Não seja ingrato, sei que um dia vences.

Quero amar muitas vezes antes da partida.
Deixo livres meus sentimentos, sei que a tempestade desaba.
Serei a capitã do meu destino nessa noite comprida.

Sou a dona do barco da minha vida querida.
Apaixonarei-me a cada dia que acaba.
Renascerei no sorriso dos amores de minha vida.

Juli Ribeiro

Publicado no Recanto das Letras
em 29/12/2006Código do texto: T331136

Aforismos

Posted by: Juℓi Ribeiro in





















~Aforismos ~

Como as gaivotas e as ondas se encontram, nos encontramos e nos unimos.
Vão-se as gaivotas voando, vão pairando sobre as ondas; e nós também vamos.

Se de noite choras pelo sol, não verás as estrelas.

A luz do sol me saúda sorrindo.
A chuva, sua irmã triste, me fala ao coração.

Se faço sombra em meu caminho, é porque há uma lâmpada em mim que ainda não foi acesa.

Teu sol sorri nos dias de inverno de meu coração, e não duvido jamais das flores de tua primavera.

Quando o dia cai, a noite o beija e lhe diz ao ouvido:
'Sou tua mãe a morte, e te hei de dar nova vida'.

O mistério da vida é tão grande como a sombra na noite.

A ilusão da sabedoria é como a névoa do amanhecer.

Lemos mal o mundo, e dizemos logo que nos engana.

A borboleta conta momentos e não meses, e tem tempo de sobra.

Quando eu estiver contigo no fim do dia, poderás ver as minhas cicatrizes, e então saberás que eu me feri e também me curei.

Cada criança nos chega com uma mensagem de que Deus ainda não se esqueceu dos homens.

Elogios me acanham, mas secretamente imploro por eles.

~ Rabindranath Tagore ~

FEEDJIT Live Traffic Feed

Buttons - Parceiros



BlogBlogs.Com.Br Poem Blogs -  Blog Catalog Blog Directory Assinar com Bloglines
blog search directory Blogarama - The Blog Directory Site Meter Add to any service